A iniciativa abrange todas as etapas para a certificação na Norma ABNT NBR ISO 50.001 e permitirá às empresas participantes estabelecer processos para melhorar o desempenho energético de suas unidades.

“Essas indústrias estarão aptas a adotar as melhores práticas de gerenciamento de energia, com ganho de desempenho, redução de custos pela otimização do consumo de energia e mitigação de impactos ambientais, a exemplo da emissão de gases de efeito estufa”, afirma Glycon Garcia, diretor-executivo do Procobre. O Instituto Brasileiro do Cobre patrocina o programa de certificação das empresas, o Senai conduz a implantação dos requisitos da norma e a Eletrobras realiza a auditoria interna, necessária para obtenção da certificação ISO 50.001.

Para a pré-seleção das participantes, foi realizado um workshop de divulgação do projeto e considerada a elegibilidade das empresas. “Além das certificações prévias existentes, levamos em conta a aderência à responsabilidade social e ambiental dessas indústrias e o compromisso de melhoria contínua, como meta”, explica Garcia.

A iniciativa já conta com uma primeira certificação, a da Baxter, que comemorou a conquista no final do mês de fevereiro. A multinacional é a primeira do ramo farmacêutico no Brasil a obter a certificação. No mundo, das 60 fábricas do grupo, a unidade brasileira é a quarta a seguir os parâmetros internacionais na racionalização do uso e consumo de energia, estabelecidos pela ISO 50.001.

Garcia explica que, com o apoio do Senai, houve uma primeira fase de revisão, para contabilidade energética da Baxter, a fim de determinar o consumo com eletricidade, gás natural, vapor, água superaquecida, entre outras fontes de energia utilizadas pela empresa. Na fase seguinte, foi feita uma análise sistemática do consumo de energéticos, por processo e equipamento. “A ideia é que a empresa identifique oportunidades para melhoria do desempenho energético na utilização dos recursos de energia e evite perdas”, destaca o diretor do Procobre.

A implantação da norma envolveu todos os setores da Baxter, de compras à alta administração, pela necessidade de disseminar os processos para a operação da indústria. “Embora o potencial de aumento da eficiência energética venha, majoritariamente, de soluções técnicas, todos os colaboradores precisam estar envolvidos para que o ganho de eficiência seja efetivo”, afirma Leandro Corral, gerente de engenharia da empresa.

Segundo Corral, desde 1998, a Baxter possui um programa de metas para redução do consumo de energia. Em 2015, a empresa conseguiu uma melhora de 7,5% em seus índices e, em 2016, 9,5%. Com o padrão ISO 50.001, a expectativa é elevar ainda mais esse percentual de economia. “De imediato, trocamos 14 motores standard por motores premium, mais eficientes. No dia a dia, nossos processos estarão dirigidos para a redução do consumo energético de nossas operações”, diz Corral.

Os demais projetos que integram a iniciativa da pareceria Procobre, Senai e Eletrobras estão em andamento e devem ser concluídos até novembro deste ano. Todas as indústrias terão o apoio técnico-científico, de consultoria, análise e desenvolvimento do Senai – Núcleo de Energia e Eficiência Energética da Unidade Pirituba, para implementação da norma.

Para Garcia, a certificação é um instrumento para disciplinar e consolidar os processos de melhoria contínua das empresas. “Cabe às empresas olhar a utilização das fontes energéticas como um negócio estratégico, de aumento da competitividade, geração de oportunidades de negócios e redução de custos operacionais”, ressalta. O uso eficiente de energia é uma prioridade para o Procobre, que tem em sistemas mais modernos e sustentáveis uma maior presença do cobre, dada sua alta condutividade.

A partir da aplicação da ISO 50.001, a expectativa do Procobre é de que as participantes do programa promovam uma melhora sistemática no gasto energético, com economia de 5% a 30%, dependendo do estágio de racionalização em que a empresa se encontre.

Compartilhe