Resultado de imagem para tarifação de energia elétrica

Na 4ª edição do Egaese (Encontro de Gestão de Ativos para Empresas do Setor Elétrico), promovido pelo Instituto Brasileiro do Cobre (Procobre), em novembro, em conjunto com a AES Eletropaulo, AES Tietê, Cemig, Eletrobras Furnas e ISA Cteep, foram discutidos os pontos de vista com relação à abertura do mercado livre (CP33) no horizonte do setor elétrico e a importância na base de remuneração regulatória (BRR) na revisão tarifária, que aumentaram, ainda mais, a relevância da gestão de ativos no setor elétrico.

 

De acordo com os líderes das concessionárias, o que vem sendo determinante para aprimorar as boas práticas de controle e monitoramento de ativos no processo de decisão para o investimento das companhias é exatamente a preocupação de como garantir que cada real investido pela concessionária seja reconhecido e remunerado pela Aneel (agencia Nacional de Energia Elétrica).

A AES Eletropaulo, que investe anualmente R$ 1 bi em gestão de ativos e conduz cerca de 1200 projetos/mês, vem desde o ano de 2011 diminuindo seus índices de “glosa” (em referência aos investimentos não reconhecidos e remunerados pela Aneel). Na empresa, a gestão de ativos deixou de integrar o departamento de engenharia para fazer parte da área de regulação.

Resultado de imagem para tarifação de energia elétricaA fim de acelerar a tomada de decisão na gestão de seus ativos críticos, a AES Tietê, geradora do Grupo AES Brasil, criou um sistema de monitoramento em tempo real, onde o técnico usa o tablet em campo, relatando as anomalias, enviando fotos, verificando o histórico das variáveis de processo do equipamento (temperatura, vibração, pressão), entre outras tarefas. Desta forma, é possível ter uma visão mais completa da situação das máquinas de todas a plantas através da análise quinzenal de aproximadamente dois mil pontos , gerando assim confiança e tranquilidade para a operação remota das instalações.

A Taesa, atuante no mercado de transmissão de energia elétrica, tendo a Cemig como detentora de 43% de seu capital,  também utiliza a tecnologia na gestão de ativos. Desta forma houve uma otimização na autonomia da equipe de manutenção, reduzindo o tempo de análise de 45 dias para apenas 1 dia.

Na ISA Cteep, o plano de modernização da transmissão já está em desenvolvimento e abrange parte dos ativos como proteções, disjuntores, transformadores de corrente e seccionadores, estes já possuíam diagnóstico prévio de sinistro, alta taxa de falhas ou indicação de substituição por obsolescência.

Já em Furnas, a gestão de ativos considera as análises preditivas e preventivas como critério técnico para substituição de equipamentos em fim de vida útil, isto é, quando há necessidade de troca, os itens com maior depreciação passam a ter prioridade.

Na AES Eletropaulo, foi desenvolvida uma metodologia própria para a tomada de decisão, onde foi levado em conta a performance financeira dos ativos físicos, avaliando a condição técnica e o retorno financeiro para a empresa, destacando a importância de garantir o cumprimento do ciclo de vida desses ativos. Segundo Carlos Eduardo Albarici, coordenador de gestão de ativos da AES Eletropaulo “é  mais interessante comprar um transformador novo e investir em média R$ 60 mil a fazer manutenção a cada cinco anos e desembolsar em média R$ 25 mil”.

Prêmio Engenheiro Amauri Reigado

O ano de 2018 vem com uma novidade, o Prêmio Engenheiro Amauri Reigado, premio este que leva o nome do engenheiro da Cemig (MG), como forma de homenagem póstuma, um dos precursores da gestão de ativos no setor elétrico no país.

As inscrições para o prêmio terão início em fevereiro de 2018 através do site www.procobre.org. O Prêmio é um reconhecimento aos melhores trabalhos de Gestão de Ativos conduzidos nas concessionárias de energia.

Sobre o Procobre

O Instituto Brasileiro do Cobre (Procobre) é uma instituição sem fins lucrativos que faz parte da Internacional Copper Association (ICA), sediada em Nova York e líder mundial na promoção do cobre, metal que sempre se fez presente na evolução das civilizações. O Procobre tem como missão gerar demandas para os produtos de cobre, difundir informações sobre os atributos técnicos e científicos do material, identificar contribuições do cobre para a formação e preservação da vida, fomentar pesquisas, desenvolver processos e produtos tecnológicos e criar novos usos para o metal.

Fonte: http://www.procelinfo.com.br

Compartilhe